Ao aderir ao programa Jovem Aprendiz, a Frísia aplicou de uma só vez dois preceitos do cooperativismo: “educação, formação e informação” e “interesse pela comunidade”. Este ano, mesmo com o distanciamento ocasionado pela covid-19, a cooperativa continuou com seu propósito e integrou mais 60 jovens aprendizes, que se prepararão para o mercado de trabalho. A aprendizagem acontece, devido a pandemia, somente com teoria e de forma virtual.

Desde 2008, a Frísia realiza o programa, que soma cerca de 280 aprendizes. Os atuais participantes, de idade entre 15 e 21 anos, foram escolhidos após uma seleção com 290 candidatos inscritos na Agência do Trabalhador de Carambeí, aplicação de prova e entrevista. Eles atuarão em atividades administrativas na Frísia, com contrato de um ano e oito meses.

“O programa Jovem Aprendiz é muito importante para a Frísia. Inserir os jovens no mundo do trabalho, combater a evasão escolar e o trabalho infantil são apenas alguns dos benefícios. A cooperativa apoia o desenvolvimento profissional e estudantil desses jovens e capacita para que possam concorrer a vagas internas ou prepará-los para o mercado de trabalho. Trata-se de um projeto capaz de transformar a realidade de jovens e impactar de forma positiva a sociedade”, afirma Werica de Almeida, analista de Desenvolvimento Humano da Frísia Cooperativa Agroindustrial.

Um desses jovens foi Juliana Moreira Delponte, que completa dez anos na Frísia em 2021. Ela afirma que, quando passou no processo de seleção, realizou um “sonho”. “Quando iniciei na cooperativa, minha dificuldade era lidar com a timidez, que foi superada. Fui efetivada como recepcionista e, depois, participei do recrutamento interno para os Recursos Humanos, onde trabalhei em diversas funções, inclusive, recrutando jovens aprendizes. Hoje, atuo como secretária da Superintendência e do Conselho de Administração. Sou muito feliz com a minha trajetória”.

Juliana Moreira Delponte em 2012 e em 2021

Ensino

O Jovem Aprendiz tem o apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop) e da organização sem fins lucrativos Gerar, que conduz os processos educacionais, fornecendo professores para as aulas teóricas e pedagogos para a parte comportamental e educacional.

O programa tem 1.660 horas, sendo 500 de aprendizagem teórica e 1.160 de prática. Na parte teórica, os conteúdos são cooperativismo, introdução à administração, informática, linguagem e comunicação, formação humana e cientifica, matemática comercial e financeira, auxílio administrativo, cidadania e trabalho, empreendedorismo e mercado de trabalho.

Atualmente, os aprendizes estão estudando em casa. Os jovens são avaliados pelos educadores ao término de cada conteúdo, e semestralmente pelos tutores dos setores.