Informações com a qualidade Frísia

As vendas futuras de commodities, a alteração de preços e a imprevisibilidade

Planting trees on a coin pile with sunlight to save money, saving and investment ideas or future financial planning, ideas for business, innovation, growth and money.

A safra 2020/2021, principalmente para a cultura da soja, apresentou um cenário bastante singular a partir da subida considerável de preço, causando uma grande tensão entre os envolvidos, principalmente para aqueles que possuíam contratos com valores travados em 2020 e cumprimento previsto para 2021. E com o término da safra essa tensão não deverá se encerrar, visto que a variação de preços é risco inerente ao próprio negócio.

Em uma verdadeira “queda de braços”, há, de um lado da mesa, os produtores rurais que consideram a variação do preço grande demais. Do outro lado, compradores temerosos, visto que, a cadeia do agronegócio é longa, toda interligada e não se encerra com a colheita e a primeira entrega.

Nesse contexto e diante do intenso debate que se instalou, principalmente entre os produtores, pergunta-se: existe viabilidade jurídica para se buscar a revisão ou mesmo a extinção dos contratos em razão da variação do preço do produto?

O agronegócio e os contratos futuros

Primeiro, é importante entender este tipo de operação. Os “contratos de futuros” ou de “venda a termo” são uma importante ferramenta de fomento do agronegócio, pois, permitem às partes contratantes fixar (operação de hedge) um preço que entendem viável para ambas, afastando-se do risco da flutuação do mercado (para cima ou para baixo) ao tempo da colheita.

Entretanto, o comprador deste grão (cooperativas, tradings etc.) não é destinatário final, evidentemente. Ao mesmo tempo em que trava quantidade e preço com o produtor, o comprador negocia esse contrato, normalmente na Bolsa de Mercadorias. Ou seja, trata-se de uma operação maior e muito mais complexa que o contrato entabulado entre produtor rural e comprador: é uma cadeia negocial que evidencia muito bem o que de fato é o tão falado “agronegócio”: a soma das operações de produção e distribuição de suprimentos, das operações de produção nas unidades agrícolas, do armazenamento, processamento e distribuição dos produtos.

Dentro desse contexto negocial em que estão envolvidos inúmeros interessados, há que se analisar a viabilidade jurídica de insurgir-se contra os contratos futuros firmados entre produtores rurais e compradores. E aqui o cerne da questão se encontra na “teoria da imprevisão”, já conhecida nos tribunais brasileiros.

Mas quem paga a conta da imprevisão?

Via de regra, demandas judiciais que buscam revisar ou extinguir os contratos futuros fundamentam-se na imprevisibilidade, por parte do produtor, de antecipar tamanha variação de preço, alegando, a partir daí, uma suposta onerosidade excessiva vinda dessa variação, caso fortuito e força maior.

O primeiro ponto que se percebe é que os contratos futuros existem tão somente porque a variação de preço do produto existe. Se o preço fosse tabelado e estável, não existiria razão alguma para se fixar o preço via operação de hedge em contratos futuros. Portanto, a própria natureza do contrato depõe contra a tese de que a variação de preços é algo imprevisível.

Aliás, não é de hoje que se discute nos tribunais a teoria da imprevisão em relação à variação de preço dos produtos em contratos futuros. O STJ já fixou entendimento de que não se aplica a este tipo de contrato esta tese. Veja-se por exemplo:
“O caso dos autos tem peculiaridades que impedem a aplicação da teoria da imprevisão, de que trata o art. 478 do CC/2002: (i) os contratos em discussão não são de execução continuada ou diferida, mas contratos de compra e venda de coisa futura, a preço fixo, (ii) a alta do preço da soja não tornou a prestação de uma das partes excessivamente onerosa, mas apenas reduziu o lucro esperado pelo produtor rural e (iii) a variação cambial que alterou a cotação da soja não configurou um acontecimento extraordinário e imprevisível, porque ambas as partes contratantes conhecem o mercado em que atuam, pois são profissionais do ramo e sabem que tais flutuações são possíveis.” (REsp. 936.741 / GO)

Portanto, insistir nesta tese não parece a melhor forma de encarar a questão, posto que o entendimento pacificado tende a ser cada vez mais consolidado a partir da profissionalização da gestão dos participantes da cadeia do agronegócio, notadamente produtores rurais, sendo cada vez mais atual do jargão de que: “no agronegócio não há mais espaço para amadores”. 

E a pandemia?

Neste ponto, pode surgir tal questionamento e sim, o mundo vive uma situação extraordinária em decorrência da pandemia da COVID-19.

Uma pandemia é algo absolutamente imprevisível por todos e não há dúvida de que seja algo inusitado e inimaginável. Entretanto, ela não atrai a aplicação da teoria da imprevisão por três razões. A primeira é que, até o momento, não é possível vincular diretamente a impossibilidade de entrega do grão com a pandemia, notadamente porque o agro não parou este tempo todo, bem pelo contrário, apresentou números recordes.

A segunda é que a pandemia tem sim efeitos sobre a variação cambial, mas foram vários fatores que historicamente influenciaram na oscilação do dólar e nenhum deles até então foi reconhecido como suficiente para atrair a tese da imprevisibilidade (por exemplo: guerras, tensões políticas, catástrofes climáticas entre outros).

Por fim, fundamental recordar que a própria “Lei da Pandemia” (nº 14.010/2020), expressamente afasta a variação cambial do rol de fatos imprevisíveis. Veja:
Art. 7º Não se consideram fatos imprevisíveis, para os fins exclusivos dos arts. 317, 478, 479 e 480 do Código Civil, o aumento da inflação, a variação cambial, a desvalorização ou a substituição do padrão monetário.

Desta forma, a conclusão é de que a pandemia, por si só, não tem força para alterar o posicionamento dos tribunais brasileiros acerca da inaplicabilidade da teoria da imprevisão aos contratos de venda a termo.

E se o produtor quiser pagar a multa?

Muito se questiona sobre a seguinte possibilidade: mas se o produtor pagar a multa contratual e deixar de entregar o grão, ficaria tudo certo? Isto porque o preço atual do grão viabilizaria este procedimento, mantendo mais dinheiro no bolso do produtor.

O raciocínio não é de todo incorreto. O pagamento da multa, em tese, livraria o produtor do cumprimento do contrato. Entretanto, contratos de compra e venda de commodities trazem, via de regra, cláusula de perdas e danos batizada de “washout” (ou, pelo menos algo muito semelhante, de mesma natureza, ainda que não descrito como “washout”).

Esta cláusula prevê que, caso o vendedor não cumpra com a entrega do produto, deverá indenizar o comprador pela diferença de preço apontada entre o valor fixado no contrato e o valor de mercado daquela commodity.

Mas por que esta cláusula existe? Porque, conforme já mencionado, o contrato faz parte de uma cadeia negocial longa, complexa e interligada. Caso o produtor não entregue o produto, a empresa ou a cooperativa que o comprou tem compromissos em sequência e vai ter que cumprir a parte dela. Portanto, na falta do grão não entregue, vai buscar no mercado produto para cumprir seus contratos. É por isso que ela tem direito de cobrar esta diferença, já que vai pagar um preço muito maior a fim de cumprir com suas obrigações.

Assim, é perfeitamente possível e legal cumular a multa contratual com a cláusula de “washout”, visto que possuem naturezas diversas: a primeira é punitiva, ao passo que a segunda é indenizatória.

Conclusão

Portanto, conclui-se que a “teoria da imprevisão” não é aplicável como argumento a fim de rever contratos de venda a termo, uma vez que as incertezas, imprevisões e, principalmente, a variação de preços são riscos inerentes à própria atividade.

Demais disso, tratando-se o agronegócio de uma enorme cadeia que seguirá existindo, descumprir contratos apenas por força de variações momentâneas certamente não é a medida mais acertada.

A Cooperativa Frísia, trabalhando de forma idônea e sempre buscando o melhor para os seus associados, fica a disposição para orientações e eventuais esclarecimentos complementares sobre o tema.

Autor: Maurício Luz – Coordenador Jurídico da Frísia
(Texto elaborado a partir das lições do advogado e professor Francisco Torma, publicadas em 21/01/2021)

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Categorias

LOJAS FRÍSIA

Confira as ofertas das Lojas Agropecuárias Frísia! Faça o download do tabloide e aproveite os descontos especiais.

PRÓXIMO EVENTO FRÍSIA

©2021. Todos os direitos reservados

INFORMES 2020

Frísia em Foco #51 | O último de 2020
Versão Desktop
Versão Mobile
_____________________________

Frísia em Foco #50 | Convenção e Noite Festiva 2020
Versão Desktop
Versão Mobile
_____________________________

Frísia em Foco #49 | Unium é o 3º maior grupo produtor de leite do BR
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #48 | 42ª SIPAT
Versão Desktop
Versão Mobile
_____________________________

Frísia em Foco #47 | Frísia entre as maiores do Sul do Brasil
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #46 | Certificação RTRS
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #45 | Programa Fundo Azul
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #44 | Ampliação Alegra
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #43 | Alta do trigo durante a pandemia
Versão Desktop

Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #42 | Live do Dia das Crianças
Versão Desktop

Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #41 | Eficiência na gestão e operação com Programa Lean
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #40 | Prêmio “Destaques do Ano”
Versão Desktop

Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #39 | Alerta: pacote de sementes não solicitadas
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #38 | Minha história com a Frísia
Versão Desktop

Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #37 | Clube das Bezerras virtual
Versão Desktop

Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #36 | Frísia entre as maiores empresas de Ponta Grossa
Versão Desktop

Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #35 | Novas fronteiras
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #34 | Cooperjovem Online
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #33 | 95 anos de cooperação
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #32 | Evolução genética
Versão Desktop

Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #31 | 95 anos de história
Versão Desktop

Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #30 | Connection avança com 12 startups selecionadas
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #29 | Intercooperação
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #28 | Frísia recebe Moção de Aplausos
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #27 | Amigos do Bem
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #26 | Digital Agro Connection decola
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #25 | Pecuária Leite apresenta resultados positivos e nova ferramenta
Versão Desktop
Versão Mobile

Frísia em Foco #24 | Doações continuam crescendo durante a pandemia
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #23 | Frísia na Agrotins 2020
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco # 22 | Nova plataforma Digital Agro
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #21 | #AlegraQueFazBem
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #20 | Unium entre as maiores do Brasil no leite
Versão Desktop

Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #19 | Assembleia Geral Extraordinária
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #18 | Uso obrigatório de máscara no Paraná
Versão Desktop

Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #17 | Solidariedade
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #16 | Voluntariado
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco # 15 | CooperAção
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #14 | Somar para multiplicar e dividir
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #13 | Muito obrigado!
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #12 | Medidas Internas Covid-19
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #11 | Grandes eventos da última semana
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #10 | Novo Site no Ar!
Versão Desktop
Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #9 | Show Tecnológico de Verão
Versão Desktop

Versão Mobile

_____________________________

Frísia em Foco #8 | Frísia inaugura centro demonstrativo experimental
Versão Desktop

_____________________________

Frísia em Foco #7 | Tocantins em Foco
Versão Desktop

_____________________________

Frísia em Foco #6 | 1º Show Tecnológico Cerrado
Versão Desktop

_____________________________

Frísia em Foco #5 | Dia de Campo Frísia
Versão Desktop

_____________________________

Frísia em Foco #4 | Sementes Batavo em Foco
Versão Desktop

_____________________________

Frísia em Foco #3 | Dia de Campo Frísia
Versão Desktop

_____________________________

Frísia em Foco #2 | Frísia na Forbes Brasil
Versão Desktop

_____________________________

Frísia em Foco #1 | Uma mensagem para 2020
Versão Desktop

_____________________________

X