O Parque Histórico de Carambeí, maior museu histórico a céu aberto do Brasil, lança site com o tema #EMCASA e que tem a finalidade de preservar a relação com o público. Desde o dia 19 de março o museu está fechado para visitação, seguindo decreto do Governo do Estado como forma de prevenção a proliferação do COVID-19, o corpo técnico da instituição está realizando trabalho interno e em suas casas, criando ações para que o espaço cultural cumpra o seu papel de agente de transformação e construção de conhecimento. O material está disponível no site www.aphc.com.br/emcasa.

“A ideia foi criar um espaço único para todas as atividades que estão sendo realizadas neste período pelo corpo técnico do museu, são diversas ações, de exposições virtuais a ideias de ‘faça você mesmo’, estimulando processos criativos com objetos de reuso. Desta forma unificamos todo o conteúdo, para que nossos visitantes consigam encontrar com mais facilidade tudo que temos feito em nosso site no período de isolamento,” explica Felipe Pedroso historiador e coordenador cultural do Parque Histórico.

A página na web abordará temas relacionados a sustentabilidade e entretenimento, terá como proposta apresentar atividades para adultos e crianças se divertirem em casa.  Foi pensado em um espaço de lazer para as crianças com o resgate de brincadeiras antigas, recorte, colagem e jogos online. Será possível fazer uma visita ao Parque Histórico por meio de vídeos e com as exposições virtuais para se aprofundar na história da imigração. Outra sugestão da equipe do museu é construir um material colaborativo, com convidados ensinado receitas e artesanato com produtos que normalmente são descartados.

Desde 2018 o museu tem investido em ações na rede como forma de aproximar o público, para oferecer gratuitamente uma programação cultural em qualquer lugar. “A virtualização dos museus é um processo irreversível, nós do Parque Histórico acreditamos que a internet é uma valiosa ferramenta na democratização de acesso e no rompimento das barreiras geográficos, por esse motivo temos investido fortemente em transpor todo nosso conteúdo e nossas produções culturais virtualmente, tornando nosso trabalho acessível e gratuito em meios digitais,’ finaliza o historiador.

Fonte: Assessoria APHC