A Frísia está na 42ª posição entre as maiores da região Sul em receita líquida. O ranking é realizado pelo jornal Valor Econômico. Entre as 1.000 empresas do Brasil, a cooperativa com sede em Carambeí/PR, alcançou a posição número 249, cinco colocações acima do levantamento anterior (254).

A edição do Valor 1000 leva em consideração os dados do ano anterior, ou seja, de 2019. A publicação destaca, na introdução do levantamento, o fraco desempenho da economia brasileira, que ocasionou em um crescimento de 8,65% das 1.000 empresas do País, bem abaixo dos 15,5% obtidos em 2018. As receitas das empresas da região Sul ficaram próximas de 6,2%, segundo o veículo.

A pesquisa das 1000 maiores empresas é desenvolvida pelo Valor em parceria com a Serasa Experian e o Centro de Estudos em Finanças da EAESP/FGV-SP. No levantamento é utilizada a receita líquida como parâmetro para o ranking e adota critérios atuais de medida de desempenho, como o Ebitda (sigla em inglês para o lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização), gestão do endividamento, além de outras medidas de desempenho contábil e financeiro.

A Frísia concluiu o ano de 2019 com faturamento de R$ 2.909 bilhões, superando em 9% o ano anterior, quando alcançou R$ 2.669 bilhões. O resultado líquido (sobras) dos cooperados alcançou R$ 32 milhões.

Ano passado, a cooperativa investiu R$ 105 milhões, valor acima do realizado em 2018, que foi de R$ 100 milhões. Os investimentos foram voltados à Unium, marca do sistema de intercooperação que envolve também as cooperativas Castrolanda e Capal, e ampliação e melhorias da infraestrutura das unidades próprias.

Confira o ranking completo no site Valor Econômico: especial.valor.com.br/valor1000/2020